Carnaval 2014 – Salvador, Fortaleza e Recife já pensam na próxima folia

Março 4, 2013 | Padrão

Os próximos Carnavais não serão iguais a este que passou. Pelo menos é o que garantem os gestores dos órgãos públicos responsáveis pela organização da folia nas três maiores capitais do Nordeste: Salvador (BA), Fortaleza (CE) e Recife (PE). Em entrevistas exclusivas, os três anunciam que a tendência é a redução do gasto público com a festa e a busca maior por patrocínios na iniciativa privada.

Mais que uma mera readequação orçamentária, a iniciativa destes gestores denota uma preocupação com a necessidade de se profissionalizar tanto o planejamento quanto a execução do Carnaval, para além dos poderes e deveres públicos. Ou seja, chegou a hora de tratar a folia como um produto, um negócio, que, como tal, deve ser rentável.

Não há nada de óbvio no que está dito na frase acima. Tome-se por exemplo o Carnaval de Salvador, um dos maiores do País. Uma comissão multissetorial comandada pelo secretário de Desenvolvimento, Turismo e Cultura de Salvador, Guilherme Bellintani, estuda propostas de mudanças, que objetivam, entre outras coisas, aumentar a arrecadação da Prefeitura durante o período.

“Há um custo público excessivo no Carnaval de Salvador”, afirma Guilherme. “Existe uma preocupação em reduzir o custo do Carnaval garantindo infra-estrutura e serviços públicos, e, ao mesmo tempo, aumentando a arrecadação com publicidade e patrocínio”, acrescenta.

O grande desafio desses gestores é justamente este: manter a qualidade dos serviços públicos, reduzindo custos e, ao mesmo, tempo aumentando a receita.

“Este ano, tivemos pouco tempo para sair em busca de patrocínio. Mas já estamos em campo captando patrocinadores para 2014”, informa o presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Roberto Lessa.

“Aumentamos a programação do Carnaval do Recife e mesmo assim o Carnaval custou um pouco menos em relação ao ano passado: R$ 30 milhões. Desse total, tivemos um patrocínio líquido de R$ 6,5 milhões, o resto foi investimento do poder público”.

Entre as mudanças adotadas por Lessa em 2013 está a não terceirização da captação de patrocinadores. Agora é um departamento da própria fundação quem coordena essa operação.

Fortaleza

O secretário da Cultura de Fortaleza, Magela Lima, comemora os patrocínios inéditos que o Carnaval da cidade recebeu este ano: Ambev, Ypioca, BNB, Governo do Estado, Cagece e Assembleia Legislativa .

“Há 4, 5 anos nós nem tínhamos Carnaval. Hoje, o Carnaval de Fortaleza está no guarda-chuva de uma grande cervejaria, que patrocina as maiores folias do País, que é o Boa do Carnaval. Na medida em que você pega um patrocínio da Ambev, coloca Fortaleza no panorama nacional, agrega valor ao evento”, celebra

Magela faz coro aos seus colegas de outros estados ao apontar ter como missão qualificar a programação do Carnaval reduzindo o custo público. E garante que é do interesse de sua gestão “fortalecer comercialmen%u018Dte essa programação”.

ENTENDA A NOTÍCIA

A profissionalização do Carnaval de Fortaleza requer que as agremiações se tornem auto-sustentáveis e que a Prefeitura consiga arrecadar com a festa, além de captar patrocínio junto à iniciativa privada.

4,3 milhões foi o investimento da Prefeitura de Fortaleza ao Pré e Carnaval de 2013

900 mil reais foi o valor dos patrocínios ao Pré e Carnaval de Fortaleza em 2013

Deixe seu comentário

Sobre este site

Site que reúne as notícias mais relevantes da mídia nacional e internacional.