Polícia investiga morte de menina que caiu de apartamento

julho 13, 2009 | Brasil, Flagrantes, Rio de Janeiro

janela_menina

A mãe deixou a filha sozinha em casa. Na hora da queda, os pais estavam numa festa no condomínio. Os dois foram presos em flagrante por abandono de incapaz.

A noite de alegria, em uma festa julina, terminou em tristeza no prédio do bairro Tomás Coelho, no Rio de Janeiro. A vítima foi a menina Rita de Cássia Rodrigues, de 5 anos, que caiu da janela do apartamento da família, no quinto andar.

Ela foi levada para o hospital, mas não resistiu.

Os peritos da polícia estão examinando as imagens registradas pelas quatro câmeras do circuito interno de TV do condomínio. As imagens podem ajudar a explicar o que aconteceu.

A câmera mostra Rita de Cássia e a mãe, Fátima, entrando no prédio, depois de saírem da festa. Eram 22h39.

Rita pediu, ‘mãe, eu estou com sono’. Eu peguei ela na mão, fomos pela chuva, foi de chapeuzinho, estava linda”, lembrou, chorando, a mãe da menina, Fátima Rodrigues.

A mãe disse à polícia que deixou a garota dormindo em casa. E desceu às 23h04 para chamar a outra filha, no térreo. Treze minutos depois, um cobertor e a mochila da criança são jogados pela janela do apartamento. A mãe volta para casa pouco depois. Fátima entra no elevador às 23h23. Passados 38 segundos, a câmera do pátio registra a queda da criança.

Eu subo, a cama pronta, tudo aceso, falei “Gilson, roubaram a Rita, meu Deus’ “, contou a mãe.

A câmera do elevador mostra a mãe nervosa ao ver que a filha não estava mais em casa.

Talvez a menina estivesse querendo ir ao encontro dos pais. Ela não tem a noção de que vai passar por aquele buraco e vai morrer”, apontou a delegada Adriana Belém.

Rita de Cássia caiu de uma janela que estava com a rede de proteção furada. A peça foi rasgada por acidente com um ferro de passar, há meses. Os peritos investigam se a menina teria usado uma tesoura achada perto do corpo dela, para aumentar o buraco na tela.

Os pais foram presos em flagrante por abandono de incapaz seguido de morte, um crime inafiançável com pena de até 12 anos de prisão. Eles prestaram depoimento em estado de choque.

Eu amo de paixão. A minha Rita”, disse a mãe.

Uma fatalidade, um acidente o que aconteceu. Era nosso tesouro, né?”, completou o pai da menina, Gilson Rodrigues.

A criança estava sozinha e foi uma fatalidade. Esse é o grande alerta que deve ser dado aos pais. Não importa se é dentro do veículo, se é dentro de casa, mas uma criança de 5 anos não pode ficar sozinha”, frisou o delegado-adjunto Marco Castro.

Estamos com advogado, estamos tentando tirar dessa condição que a gente possa seguir os trâmites normais pra ter o enterro da minha sobrinha”, explicou o tio da menina, Clemilson Rodrigues.

Veja o vídeo:

Deixe seu comentário

Sobre este site

Site que reúne as notícias mais relevantes da mídia nacional e internacional.