Super Mario Run – Jogo chegou aos dispositivos móveis e já rendeu US$ 5 milhões em apenas 24 horas

dezembro 19, 2016 | Empresas, Entretenimento, Game, Jogo, Nintendo, Video Game

super-mario-run-foto-imagem

Não tem para ninguém: Mario chegou aos dispositivos móveis e atropelou todo mundo enquanto coletava suas moedinhas. De acordo com a agência Sensor Tower, Super Mario Run não só atingiu a marca de 5 milhões de downloads no primeiro dia de lançamento, como rendeu suculentos US$ 5 milhões em apenas 24 horas. Esses números já posicionam o game como o maior lançamento de um app mobile de toda a história.

Os números da Sensor Tower até o presente momento são os mais sólidos dentre as agências que realizaram pesquisas semelhantes: a concorrente Apptopia apontou um número um pouco mais modesto, de 2,85 milhões de downloads em 24 horas enquanto a empresa de consultoria mobile App Annie chutou os números de suas estimativas nas alturas, prevendo 4,7 milhões de downloads apenas nos Estados Unidos e 10 milhões em todo o mundo.

Para se ter uma ideia Pokémon GO era até então o maior game mobile da história, mas foi ultrapassado com facilidade (há de se convir, no entanto que o game dos monstrinhos de bolso foi lançado de forma muito paulatina, enquanto Super Mario Run desembarcou em 150 países de uma vez).

Clash Royale, o atual carro-chefe da Supercell comeu poeira tanto em downloads quanto em receita no dia do lançamento, entretanto ele é o título no qual os jogadores permanecem por mais tempo: média de 28 minutos por sessão, contra 22 de Pokémon GO e míseros 16 de Super Mario Run.

No entanto as três pesquisas apontam uma coisa em comum: a grande maioria dos que estão baixando o game pagam os US$ 9,99 pedidos por Super Mario Run para liberar a experiência mobile completa, o que obviamente se reverte em 30% para o caixa da Apple. Atualmente ele é o app mais baixado em 80 países em que está presente e é o app mais lucrativo em 30 deles.

Não é preciso pensar muito para entender o porquê: o perfil do usuário do iOS é de um consumidor de apps, acostumado a pagar pelo software que utiliza. Ainda que o jailbreak ainda seja uma prática persistente ela ocorre em um grau muito menor do que no Android, onde a pirataria é desenfreada (basta desligar uma função de sistema para instalar arquivos .apk externos à Play Store). Embora o market share seja dominado pelo sistema do Google (nove em cada dez smartphones vendidos no último trimestre eram Androids), o lucro com apps está todo nas mãos da maçã.

Por isso não surpreende a decisão da Nintendo em postergar o lançamento da versão para Android de Super Mario Run indefinidamente. Ela não está disposta a permitir que o app seja pirateado e como ela ainda não descobriu uma maneira sólida de evitar que seu game seja distribuído e jogado de maneiras não previstas, não será surpresa se no futuro a versão for cancelada.

Por outro lado, essa fase de bonança da Nintendo pode não durar: Super Mario Run não possui nenhuma estratégia de monetização, apenas um pagamento único para liberar todos os mundos. Curiosamente, embora mal avaliado no iTunes (média de 2,5 estrelas, com muitas avaliações de uma estrela e diversas reclamações acerca do preço, demasiado alto para um endless runner) as pessoas estão pagando mesmo assim, mas uma vez que todos tiverem o app o dinheiro deixará de entrar.

Da mesma forma o número de downloads geral deverá cair conforme mais pessoas decidirem não pagar pelo valor cheio do app, o que a Nintendo pode remediar com um futuro desconto no preço. É preferível ganhar menos do que deixar o interesse em Super Mario Run desaparecer, mas a companhia japonesa pode ter outros planos.

Fonte: Sensor Tower.

Deixe seu comentário

Sobre este site

Site que reúne as notícias mais relevantes da mídia nacional e internacional.