Redução do estômago – Técnica usada na Cirurgia do Faustão promete controlar diabetes

agosto 4, 2009 | Apresentador, Celebridade, Comportamento, Medicina, Saúde

Reposicionamento de parte do intestino aumenta produção de insulinaCirurgia, no entanto, divide opiniões de especialista

A cirurgia de tratamento de obesidade a que o apresentador Fausto Silva se submeteu há cerca de duas semanas é um procedimento que promete manter o diabetes sob controle.

No último domingo (2), Faustão afirmou em seu programa que passou pela cirurgia, feita a partir de técnica criada pelo médico goiano Áureo Ludovico de Paula. Trata-se de uma nova abordagem para a cirurgia de tratamento da obesidade.

“Há duas semanas, uma semana e meia, eu me submeti a algumas cirurgias. (…) Aproveitei e resolvi fazer uma cirurgia chamada bariátrica, que é feita no mundo inteiro e que tem várias técnicas. Só que um médico de Goiânia, chamado Áureo Ludovico de Paula, criou uma técnica diferente (…) que se propõe a curar ou diminuir o diabetes e curar a pressão alta”, afirmou Fausto Silva durante o “Domingão do Faustão”.

“Se der certo, eu não só resolvo esses dois problemas de saúde, como também devo perder nos próximos meses entre 20 e 30 quilos”, disse o apresentador. Faustão afirmou que fez a declaração para esclarecer seu público sobre o assunto e evitar especulações. Por meio da assessoria, ele afirmou que não pretende mais falar sobre o procedimento.

A técnica criada pelo médico goiano que operou Faustão é uma nova proposta para a chamada “cirurgia bariátrica” (o nome técnico da operação de redução do estômago), de maneira a permitir também o tratamento do diabetes.

Além do “grampeamento” para reduzir o volume estomacal, Ludovico de Paula faz um “reposicionamento” da porção final do intestino delgado – chamada de “íleo“.

Entenda a cirurgia

A passagem da comida em processo de digestão pelo íleo estimula a produção de insulina, o hormônio que controla a taxa de açúcar no sangue. Mas o íleo fica no final do intestino delgado. O que o médico faz é retirar esse pedaço do órgão e recolocá-lo mais perto do estômago. Isso, segundo ele, reduz os sintomas do diabetes, pois aumenta a produção do hormônio.

“O íleo tem uma função hormonal importante, que estimula a produção de insulina”, explicou de Paula.

Polêmica

O procedimento é objeto de controvérsias entre os médicos. O cirurgião Thomas Szego, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), que operou a irmã de Fausto Silva, afirma que a técnica é ainda “experimental” e questiona a aplicação antes de mais pesquisas.

“Acho que essa cirurgia não poderia ser feita dessa maneira. O resultado é desconhecido. É uma experiência que está nas mãos de um único cirurgião”, diz Szego. “É dificil saber qualquer coisa porque os resultados não são divulgados da maneira com que estamos acostumados”, afirma.

Márcio Mancini, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso), também afirma que a cirurgia é experimental, mas não vê problemas na aplicação, desde que o paciente assine um termo autorizando a cirurgia.

“Isso apenas quer dizer que ela não está na lista de procedimentos convencionais, o que não é um problema. É assim que a medicina evolui”, afirma Mancini. “É um procedimento tecnicamente bastante difícil, que nem todo cirurgião faria tranquilamente”, diz o médico.

Ludovico de Paula rebate as críticas e diz que sua técnica está longe de poder ser considerada experimental. “É uma cirurgia que já é feita há seis anos e que já teve resultados apresentados em revistas internacionais”, afirma o médico goiano. “Ela é segura e tem resultados comprovados”.

Fonte G1

Deixe seu comentário

Sobre este site

Site que reúne as notícias mais relevantes da mídia nacional e internacional.