Vídeos das professoras agredindo crianças em creche – Câmera de segurança flagra cenas revoltantes em São José do Rio Preto

fevereiro 11, 2010 | Acidentes, Aluna, América do Sul, Brasil, Comportamento, Crime, Educação, Flagrantes, Foto, Polícia, São Paulo, Videos


Câmeras foram instaladas depois denúncia feita por funcionários da creche.
Caso ocorreu em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo.

Três professoras de uma creche em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, foram flagradas pelo circuito interno de segurança agredindo crianças com idades de 1 ano a 2 anos.

Em uma das cenas, uma professora pega a criança e a arrasta pelo braço. Outra reeprende violentamente um menino de 1 ano. Depois, o mesmo menino é agredido na cabeça.
As professoras usam a violência e a intimidação a todo momento para conter as crianças. As câmeras foram instaladas depois de uma denúncia feita por funcionários da creche.

Durante vinte dias as aulas foram monitoradas. As três professoras que aparecem nas imagens agredindo as crianças foram demitidas por justa causa. Seis também perderam o emprego por envolvimento nas agressões.

As mães de alunos da creche estão revoltadas. A diretora informou que não sabia das agressões. As imagens que estão com a polícia técnica vão passar por perícia e a Delegacia da Mulher vai investigar os maus tratos na creche.

“Foi instaurado inquérito policial, estamos aguardando o laudo pericial, solicitei que as imagens fossem descritas e reveladas”, disse a delegada Dalice Ceron. “Trata-se de pessoas indefesas, que não sabem reagir ou responder e às vezes não sabem nem transmitir à mãe o que está se passando.”

Fonte G1

Comentários (2)

 

  1. DANIELLE disse:

    Há tá,entendi……..por vcs não serem bem remunerados e serem muito sobrecarregados no serviço com as crianças,então por isso agridem,tratam mal,chingam,…….etc esses anjinhos que não tem culpa de estarem aí,eles são obrigados por necessidades dos pais.Toda essas covardias cometidas contra essas crianças são um absurdo.Se vcs que são auxiliares de creche não estão satisfeitos,que saem e deicham quem quer,amam e precisam trabalhar.Esse é um recado de uma mãe que presa muito pela vida de seu filho e ai daquele que encostar um dedo no meu anjo.

  2. Antonio F A Silva disse:

    CARTA ABERTA À SOCIEDADE
    Nós, Agentes Auxiliares de Creche, trazemos por meio desta Carta Aberta à Sociedade, o conhecimento das dificuldades que enfrentamos no dia-a-dia em relação ao cumprimento de nossas atribuições e na promoção do bem estar das crianças matriculadas na educação Infantil, nas creches do Município do Rio de Janeiro, que permanecem sob nossa guarda no período de oito a dez horas, diariamente.
    Prestamos concurso para o cargo Agente Auxiliar de Creche da Cidade do Rio de Janeiro, em que o nível de escolaridade exigido para o concurso foi o nível fundamental. O edital conjunto SME/SMA Nº. 08, de 24 de julho de 2007 do concurso relatava que em nossas atribuições básicas ou específicas, teríamos que participar com e auxiliar o “educador” nas atividades das rotinas diárias.
    O que encontramos como realidade é bem diferente da redação de nossas atribuições inerentes ao cargo para o qual prestamos concurso. Na prática, não temos a presença do educador em sala e o número de agente auxiliar de creche por turma não corresponde a real necessidade de 25 crianças. Que precisam de apoio em sua higiene básica; serem protegidas para que não sofram acidentes e orientadas pedagogicamente para o seu perfeito desenvolvimento psicofísico.
    Várias são as possibilidades de pequenos acidentes acontecerem diariamente, por ter apenas um agente, sozinho, tomando conta de muitas crianças por uma ou duas horas. Ficando, também sob a responsabilidade deste mesmo agente, a elaboração e execução do planejamento pedagógico, bem como a avaliação do desenvolvimento de sua turma.
    Nós, agentes auxiliares de Creche, nos sentimos em desvio de função, sem qualificação para tal e sem estarmos recebendo o real valor para que estejamos executando esta função.
    Apesar de fazermos parte do Proinfantil (Programa de Formação Inicial para Professores em Exercício) que é exclusivo para Professores Leigos, o Município do Rio de Janeiro não nos considera profissionais do Magistério.
    O Proinfantil chegou para regularizar a situação do Município do Rio de Janeiro em relação à LDB e assim poder receber os recursos do Fundeb/Fundef e Banco Mundial.
    Sem mais, subscrevemo-nos acreditando que juntos podemos desenvolver uma verdadeira educação que faça a diferença neste país tão assolado pelo descaso com a educação de seu povo.
    AGENTES AUXILIARES DE CRECHE.

Deixe seu comentário

Sobre este site

Site que reúne as notícias mais relevantes da mídia nacional e internacional.