Japão um dos países mais seguros do mundo – Com tolerância zero a armas e álcool

quarta-feira, 6 de março de 2019 | Asia, Comportamento, Crime, Japão, Polícia | Sem Comentários

Tolerância zero às armas e foco em sistema de policiamento comunitário colocou país entre os lugares mais seguros do mundo

A tecnologia ajuda, mas, no Japão, não são os sensores e as câmeras os principais responsáveis pela segurança pública. É uma combinação bem-sucedida de leis rigorosas, policiamento preventivo, ações comunitárias e educativas que têm garantido ao país uma posição de destaque entre os lugares mais seguros do mundo.

Em 2018, os japoneses tiveram o 9º melhor Índice Global da Paz (ranking liderado pela Islândia), enquanto os brasileiros amargaram a 106ª posição, com altas taxas de criminalidade e corrupção. De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes, o Japão tem 0,28 homicídios para cada 100 mil habitantes.

No Brasil, em 2017 (dado mais recente no comparativo), foram contabilizados 63.880 mortes violentas, o maior índice da história. Isso equivale a 30,8 homicídios para cada 100 mil pessoas.

Apesar das pequenas oscilações no passado desses indicadores, os japoneses hoje conseguem dormir tranquilos graças à segurança proporcionada pela política de tolerância zero às armas e ao centenário sistema de policiamento comunitário, com mais de 6.600 postos espalhados pelo país – os chamados Koban, nome dado aos pequenos postos onde residem e trabalham de dois a três policiais treinados para servir a comunidade e dar informações de segurança, inclusive sobre objetos perdidos.

O Japão tem uma das menores taxas do mundo de crimes cometidos com armas de fogo. Segundo a Agência Nacional de Polícia, houve, em 2017, apenas 22 crimes cometidos com armas de fogo – deixando 3 mortos e 5 feridos.

A título de comparação, no mesmo período houve 15.612 mortes por armas de fogo nos Estados Unidos, segundo a organização Gun Violence Archive. Isso dá uma média de 42 mortes por armas de fogo por dia nos EUA, contra um toal de 44 mortes do tipo no Japão nos últimos oito anos até abril de 2018.

A educação da população também ajuda.

“No Japão, as crianças aprendem desde cedo que é crime ficar com aquilo que não é seu. Não existe isso de dizer que ‘achado não é roubado'”, observa Mayumi Uemura, diretora de uma escola brasileira no Japão – instituições de ensino particulares que são homologadas pelo Ministério da Educação brasileiro e seguem o currículo brasileiro, em áreas de grandes concentrações de migrantes do Brasil.

A escola dirigida por Uemura fica em Joso, cidade com pouco mais de 2 mil brasileiros localizada na província de Ibaraki (que tem cerca de 6 mil brasileiros. E os estudantes são frequentemente convidados para participar de atividades com a polícia, como palestras sobre drogas e até campeonato de futebol promovido por policiais.

Os alunos também passam por treinamento sobre regras de trânsito. “Muitos brasileiros não sabem que aqui é proibido carregar alguém na garupa da bicicleta”, diz a diretora. A lei para ciclistas é de 2015 e pune com multas e prisão quem for pego pedalando alcoolizado. Também proíbe pedalar com fones de ouvido, mexendo no smartphone ou equilibrando um guarda-chuva.

Policiamento humanizado e sistema unificado sem rivalidades
A segurança pública do dia a dia é garantida por um contingente de 290 mil policiais. São eles que mantêm o laço de confiança da população com a polícia pelo sistema Koban.

O sistema, criado em 1874, é a resposta japonesa para a criminalidade, e a intenção é de que seja implantado em localidades brasileiras, por um Acordo de Cooperação Técnica entre Brasil e Japão.

No entanto, na opinião de um policial japonês que fez estágio na polícia brasileira e não quis ser identificado na reportagem, a implantação do modelo japonês no Brasil será complicada devido às diferenças entre os países.

No Japão repleto de leis rigorosas, não é de estranhar que policiais façam suas rondas ostensivas de bicicleta e abordagem sem o uso de armas de fogo, recorrendo apenas a movimentos de artes marciais ou até mesmo redes e cobertores quando é necessário conter um suspeito.

“Enquanto no Japão a Agência Nacional da Polícia é a única a coordenar o sistema, no Brasil há várias instituições policiais, como a civil, a militar e a federal, e elas estão sempre se enfrentando”, diz o policial japonês.

O segredo para o modelo japonês dar certo, opina ele, é a integração da polícia com a comunidade: “respeito mútuo”.

Os estrangeiros também interagem com a polícia. A brasileira Bruna Ishikawa, de 14 anos, foi escolhida para ser policial por um dia e percorreu de viatura um trecho entre as cidades de Joso e Ishige enquanto falava pelo alto-falante – em português, para ser entendida pelos membros da comunidade brasileira – sobre a necessidade de os pedestres olharem sempre para os dois lados ao atravessar a rua. “A polícia daqui é diferente. A gente respeita”, diz a estudante.

Sociedade participativa e qualificação dos policiais
Os próprios cidadãos ajudam o policiamento no Japão. Em muitas casas e lojas, há um adesivo escrito “Kodomo 110ban no Ie” colado na porta, indicando que o local pode ser usado como abrigo por crianças em perigo. E todos os alunos do equivalente aos seis primeiros anos do ensino fundamental brasileiro levam pendurado na mochila um alarme que é usado em situação de ameaça.

Para ajudar a população a memorizar o telefone de emergência, a polícia japonesa criou o Dia do 110. Sempre em 10 de janeiro, realiza eventos para lembrar as pessoas que o número 110 deve ser usado para acionar a polícia por telefone em caso de crime, acidente ou uma ocorrência suspeita.

A Academia Nacional de Polícia tem investido em transformar parte de seu contingente em policiais poliglotas, para dar suporte à crescente população estrangeira e ao público esperado em megaeventos, como os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Mais do que à gramática, o professor de português Miguel Kamiunten dá ênfase à conversação, ensinando inclusive gírias e termos técnicos jurídicos. “O importante é que esses policiais poderão ajudar no trabalho preventivo, passando informações de segurança aos estrangeiros”, explica.

Os policiais habilitados em idiomas também auxiliam nos casos envolvendo estrangeiros. Em 2017, o Japão registrou 17.006 crimes cometidos por não japoneses, sendo 30,2% deles atribuídos a vietnamitas. Os brasileiros, quinto maior grupo estrangeiro com 196.781 pessoas residindo no país, foram o terceiro grupo mais acusado de criminalidade (1.058 casos).

Apesar da presença histórica da yakuza, como é conhecida a principal organização criminosa japonesa, o Japão tem conseguido manter as facções sob controle com a tolerância zero a armas.

Segundo cálculos da Agência Nacional de Polícia, em 2017, o crime organizado contava com 34.500 membros em 22 grupos. No auge, em 1963, o crime organizado chegou a contabilizar 184 mil membros, mas esse número despencou graças à Lei Anti-Yakuza. Ela entrou em vigor em 1991 e endureceu ainda mais na revisão feita uma década depois, quando tornou-se ilegal fazer negócios com membros de facções.

E quem sofre e não denuncia tentativas de extorsão vira cúmplice; e chefes das gangues são responsabilizados criminalmente pelas atividades de subalternos.

“Com leis rigorosas e a ajuda da comunidade, é possível controlar a violência”, diz o policial japonês.

Segurança no trânsito e penas duras
Os motoristas também foram obrigados a redobrar a atenção, porque acidentes de trânsito costumam ter punição severa. O Japão criou a rigorosa legislação em 1970, quando houve um brusco aumento da frota de carros em circulação – e 16.765 mortes nas estradas. Após campanhas intensas e queda nos números, os casos fatais voltaram a superar a marca de 10 mil em 1988, devido ao maior número de pessoas habilitadas e motorizadas.

O país recorre a casos emblemáticos para criar precedentes e dificultar ainda mais a violação do Código Penal. Em dezembro passado, um homem foi condenado a 18 anos de prisão por direção perigosa seguida de morte. O réu perseguiu o carro de uma família e, depois de ultrapassá-lo, forçou a mulher e o marido dela a pararem o veículo no meio da via expressa, quando foram então atingidos por um caminhão.

A “lei seca” surgiu após outro episódio de grande repercussão nacional, ocorrido em 2007. Um motorista embriagado provocou a morte de três crianças no trânsito, motivando o endurecimento da legislação.

Casos em que gerentes de bar ou amigos servem álcool sabendo que a pessoa vai dirigir, ou mesmo pegar carona ou emprestar carro a alguém alcoolizado, podem resultar em prisão de todos os envolvidos. Outras violações das leis de trânsito podem levar à perda imediata da carteira, pagamento de multa e até prisão.

O difícil caminho para comprar armas no Japão

Se você quer comprar uma arma no Japão é preciso paciência e determinação. É necessário um dia inteiro de aulas, passar numa prova escrita e em outra de tiro ao alvo com um resultado mínimo de 95% de acertos.

Também é preciso fazer exames psicológicos e antidoping.

Os antecedentes criminais são verificados e a polícia checa se a pessoa tem ligações com grupos extremistas.

Em seguida, investigam os seus parentes e mesmo os colegas de trabalho.

A polícia tem poderes para negar o porte de armas, assim como para procurar e apreendê-las.

E isso não é tudo. Armas portáteis são proibidas. Apenas são permitidos os rifles de ar comprimido e as espingardas de caça.

A lei também controla o número de lojas que vendem armas.

Na maior parte das 47 prefeituras do Japão, o número máximo é de três lojas de armas e só se pode comprar cartuchos de munição novos se os usados forem devolvidos.

Até mesmo o crime organizado no Japão dificilmente usa armas de fogo. Geralmente, os criminosos utilizam facas.

A polícia tem que ser informada sobre onde a arma e a munição ficam guardadas – e ambas devem estar em locais distintos, trancadas. Uma vez por ano a polícia inspecionará a arma.

Depois de três anos, a validade da licença expira e a pessoa é obrigada a fazer o curso e as provas de novo.

Tudo isso ajuda a explicar por que os tiroteios e massacres com armas de fogo são muito raros no Japão.

Quando um massacre ocorre no país, geralmente o criminoso utiliza facas.

Beber suco de frutas é realmente saudável?

Beber suco de frutas é realmente saudável?

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019 | Mundo, Saúde | Sem Comentários

É difícil resistir a um suco natural, seja no café da manhã, no lanche da tarde ou após exercícios físicos. Muita gente também acredita que ele ajuda a perder peso ou “desintoxicar” o organismo. Todas essas suposições movimentam um negócio altamente lucrativo. O mercado global [...]
Nike perde R$ 1 bilhão em valor de mercado após tênis estourar e causar lesão no jogador Zion Williamson

Nike perde R$ 1 bilhão em valor de mercado após tênis estourar e causar lesão no jogador Zion Williamson

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019 | EUA, Foto, Internacional, Jogos | Sem Comentários

Tênis do jovem jogador Zion Williamson partiu-se ao meio durante o jogo de basquete mais aguardado da temporada O assunto principal do jogo entre os times universitários de basquete de Duke e North Caroline prometia ser a atuação de Zion Williamson, jovem promessa do basquete norte-americano. At [...]
Estados Unidos - Temperatura de -50º

Estados Unidos – Temperatura de -50º

terça-feira, 29 de janeiro de 2019 | América do Norte, Desastres, EUA, Internacional, Mundo | Sem Comentários

Os Estados Unidos se preparam para a chegada, nesta semana, de uma frente fria – na verdade congelante – que pode fazer a temperatura chegar a -50ºC. O Serviço Meteorológico Nacional dos EUA (NWS, na sigla em inglês) informou que alguns Estados vão vivenciar o clima mais frio das ú [...]

Google, Facebook, Amazon e Microsoft – Por que os monopólios da indústria de tecnologia podem ser uma “maldição” para a sociedade?

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019 | Padrão | Sem Comentários

Por Paul Solman No início do século 20, a Standard Oil foi quebrada por causa de seu vasto poder. Hoje, muitos pensam que o Facebook, o Google ou a Amazon apresentam ameaças semelhantes, mas continuam sem contestação. Em “The Curse of Bigness”, o professor de direito Tim Wu argument [...]
B2W - Smart Bidding: Como uma das maiores empresas de e-commerce no Brasil aumentou suas vendas com automação

B2W – Smart Bidding: Como uma das maiores empresas de e-commerce no Brasil aumentou suas vendas com automação

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019 | B2W, Brasil, Empresas | Sem Comentários

Dona de sites como Americanas.com e Submarino.com, B2W viu as vendas crescerem mais de 90% usando Smart Bidding, além de ganhar eficiência nas operações de marketplace. Em 2017, as vendas em marketplace no Brasil cresceram quase 22%, contra 7,5% do e-commerce em geral1. Quem gerencia esse tipo d [...]
Painel Situação Cadastral - Consultas cadastrais para você ou sua empresa - Consultar dívidas ou scores de CPF / CNPJ

Painel Situação Cadastral – Consultas cadastrais para você ou sua empresa – Consultar dívidas ou scores de CPF / CNPJ

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019 | Brasil, Cartão de Créditos, CPF, Documentos, NP, Protestos, Tecnologia, Utilidade Pública | Sem Comentários

Consultas cadastrais para você ou sua empresa! Acesse agora o mais completo painel de consultas aos órgãos de proteção ao crédito do Brasil. Consultas online 24h por dia, pague através do PagSeguro por cartão, boleto ou transferência. Consultas Online Retorno das consultas em poucos segundo [...]
Isaac Asimov - As previsões para 2019

Isaac Asimov – As previsões para 2019

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019 | Celebridade, Comportamento, Internacional, Medicina, Mundo, Tecnologia | Sem Comentários

HÁ 36 ANOS, ISAAC ASIMOV ESCREVIA SOBRE COMO SERIA O MUNDO EM 2019 Em 1983, Isaac Asimov (1920–1992), responsável por clássicos como Eu, Robô, a trilogia Fundação e As Cavernas de Aço, fez previsões de como um bocado de coisas seriam em 2019. As ideias foram publicadas em um ensaio no jorn [...]
Adidas reforça atenção do esporte a mulheres

Adidas reforça atenção do esporte a mulheres

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 | Comportamento, Empresas, Entretenimento, EUA, Jogo, Nike, Olimpíadas, Visa | Sem Comentários

Neste ano, marcas como Nike, Under Armour e Visa tiveram mesma iniciativa A Adidas lançou um manifesto em que procura dar ainda mais força à mulher dentro do esporte. O vídeo “She Breaks Barriers” (“Ela quebra barreiras”, em tradução livre) foi veiculado durante a trans [...]
Ovo: do laranja escuro ao amarelo claro, a cor da gema transmite muitas informações sobre a vida da galinha.

Ovo: do laranja escuro ao amarelo claro, a cor da gema transmite muitas informações sobre a vida da galinha.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018 | Alimentação | Sem Comentários

Gemas têm enorme variação de cor — do amarelo sutil ao laranja escuro, quase vermelho —, e nossa preferência de cores muitas vezes está relacionada ao nosso país de origem. Mas o que a cor da gema nos diz sobre a qualidade e o valor nutricional do ovo? Segundo as pesquisas, é complicado. [...]
Fusca - O anúncio que mudou a indústria da publicidade para sempre

Fusca – O anúncio que mudou a indústria da publicidade para sempre

quinta-feira, 15 de novembro de 2018 | Carro | Sem Comentários

Há anúncios que com o passar do tempo se convertem em icônicos. É o caso desta campanha da década de 50 que revolucionou a profissão e criou um novo conceito No final da década dos cinquenta, a indústria publicitária mundial mudou radicalmente por conta da apresentação de uma campanha con [...]
É como usar drogas : Por que as pessoas acreditam e compartilham fake news?

É como usar drogas : Por que as pessoas acreditam e compartilham fake news?

sexta-feira, 26 de outubro de 2018 | Aplicativos, Blog, Brasil, Comportamento, Crime, Documentos, Facebook, Foto, Mundo, MySpace, Pinterest, Política, Redes Sociais, Twitter, YouTube | Sem Comentários

Desde as eleições que elegeram o presidente americano Donald Trump em 2016, a expressão fake news se espalhou mundialmente. Com a popularização dos computadores e smartphones, boa parte da população brasileira tem acesso a redes sociais, como Facebook e WhatsApp, diariamente e se tornou alvo [...]
Cientistas desenvolvem camisinha autolubrificante

Cientistas desenvolvem camisinha autolubrificante

quarta-feira, 17 de outubro de 2018 | EUA, Mundo, Relacionamentos, Sensualidade, Tecnologia, Utilidade Pública | Sem Comentários

Os preservativos são muito importantes na hora de evitar uma gravidez indesejada e, principalmente, são a melhor forma de prevenção contra transmissão de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como a aids, sífilis, HPV e gonorreia. No entanto, muitas pessoas preferem não usá-la durante [...]
Abuso sexual, físico ou emocional na infância podem deixar marcas genéticas por toda a vida

Abuso sexual, físico ou emocional na infância podem deixar marcas genéticas por toda a vida

quarta-feira, 3 de outubro de 2018 | Abuso Sexual, Comportamento, Estupro, Incidentes, Medicina, Mundo, Pedofilia, Saúde, Violência | Sem Comentários

Cientistas notaram diferenças no material genético de vítimas. Há possibilidade das alterações serem transmitidas aos descendentes Pessoas que sofrem abuso sexual, físico ou emocional durante a infância apresentam alterações genéticas ao longo da vida que podem ser transmitidas para suas [...]
Efeito manada - Como esse comportamento permite manipulação da opinião pública

Efeito manada – Como esse comportamento permite manipulação da opinião pública

segunda-feira, 1 de outubro de 2018 | América do Sul, Brasil, Comportamento, Mundo | Sem Comentários

A estratégia que vem sendo usada por perfis falsos no Brasil e no mundo para influenciar a opinião pública nas redes sociais se aproveita de uma característica psicológica conhecida como “comportamento de manada”. O conceito faz referência ao comportamento de animais que se juntam [...]

Sobre este site

Site que reúne as notícias mais relevantes da mídia nacional e internacional.